22.02.2018

Tecnologia: da relutância inicial à gratidão em Angola

A ProFuturo começou a dar seus primeiros passos no final de 2015 em Angola.  E embora dois anos depois seja uma realidade que oferece educação através de ferramentas digitais a 5,6 milhões de crianças e aspira a atingir 10 milhões até 2020, vale a pena voltar ao seu início.

Facebook twitter

Qual foi e onde foi o primeiro lugar onde a ProFuturo começou? Nove escolas em Luena, na província de Moxico, foram a primeira etapa em que, graças a Dom Jesús Tirso Blanco, Bispo da Diocese de Luena, o projeto ProFuturo deixou de ser um sonho para ser uma realidade palpável.

Observe que ao longo de seus mais de um milhão de metros quadrados, com uma grande variedade de ambientes que vão desde sua costa, seu grande planalto interior, sua paisagem tropical e desértica formando deserto perto da Namíbia, comunicações rodoviárias em Angola são complicadas.  E não só as comunicações, Angola ainda fala mais de 40 línguas, embora a oficial seja português e o espanhol esteja crescendo devido à relação histórica com Cuba.

Em março de 2016, Enrique Vázquez, membro da Profuturo, chegou a Angola para elaborar uma estratégia para a implantação do projeto que, até hoje, se expandiu em quase todo o território. Estas são algumas das impressões de Enrique Vázquez quando ele passou por Sacassange:

Steve Jobs disse: “Tecnologia não é nada. O importante é que você tenha fé em pessoas que são basicamente boas e inteligentes e, se você lhes der ferramentas, elas farão coisas maravilhosas com elas”.

Quem teria dito a nossos avós e pais de nossos avós que um dia chegaria algo chamado “Revolução digital” ou mesmo “Terceira Revolução Industrial”, que iria transformar a maneira de se comunicar e interagir e de adquirir novos conhecimentos. Agora, podemos ver nossos idosos conectando-se a redes sociais, conectando-se por videoconferência com seus netos que moram em outro país e substituindo cartas escritas por e-mails enviados de telefones celulares que chegam instantaneamente em vez de levar semanas.

Nosso modo de ver, sentir e compartilhar o mundo foi transformado. Do nosso contexto, já vemos essa mudança como normal, mas como esta revolução digital atingiu os países em desenvolvimento?

Embora esta transformação tecnológica esteja cada vez mais atingindo muitos países africanos, uma enorme desigualdade ainda prevalece em Angola. As tecnologias e dispositivos avançados, como tablets, permanecem apenas para os poucos privilegiados.

Pude ver um exemplo disso quando conheci uma pequena aldeia localizada em frente à lagoa de Sacassange, na zona rural do Moxico. Como muitas outras famílias, Njinga, com o resto de suas irmãs e sua “Khakha” (avó), vive em uma área rural remota sem eletricidade ou saneamento e com uma extrema escassez de recursos, que as limita e as mantê distante da proliferação tecnológica que pode estar emergindo nos núcleos mais urbanos.

No começo, perguntei a Khakha se poderia tirar uma foto da família e ela me disse que não com cara desconfiada. Respeitei sua decisão e conectei meu computador e um dos tablets que trazia na mochila para ver a reação das meninas ao brincar com um dos conteúdos de nossa plataforma educacional para aprender o alfabeto. Surpreendentemente, a princípio, a criança não sabe como usar o dispositivo, mas depois de 5 minutos de tentativas, começou a trabalhar de uma forma surpreendente, na medida em que a avó começou a rir quando sua neta conseguia usar tão bem “esse dispositivo”, enquanto me dizia com um olhar nostálgico: “Com a guerra, não podíamos estudar… mas correr e nos refugiarmos nos arbustos para que eles não nos apanhassem.” Depois de uma breve conversa, ela me pediu para tirar uma foto e me agradeceu pelos momentos compartilhados com eles.

Por causa de suas circunstâncias, muitos não terão acesso a tecnologias digitais ou educação e, portanto, serão deixados para trás nessa corrida tecnológica em que todo o planeta está participando.

No entanto, iniciativas como a Profuturo, optam pela educação digital como chave para a transformação social, conseguindo derrubar essas barreiras econômicas que muitas gerações viveram para transformá-las em mudança e oportunidades de desenvolvimento.

ProFuturo em Angola

Angola foi o começo de tudo e hoje ProFuturo já tem 124 escolas onde ensinam as aulas digitais distribuídas entre as províncias do Moxico, Malange, Uíge, Luanda, Caxito, Viana, Benguela, Huambo, Saurimo e do Dundo. Há mais de 100.000 crianças de escolas primárias que se beneficiarão da educação digital integral do ProFuturo, com mais de 1200 professores treinados e 22 coordenadores no campo para dar acompanhamento e suporte a eles.